Ciência e Tecnologia

Internet no Brasil está mais lenta em razão do aumento de acessos durante “isolamento social”

Ciência e Tecnologia 25/03/2020/ 16:02:40
Internet no Brasil está mais lenta em razão do aumento de acessos durante “isolamento social” Foto: TecMundo 

Certamente, muitas pessoas já notaram que a internet está mais lenta desde que a pandemia do novo coronavírus (COVID-19) chegou ao país. Diante do cenário de “isolamento social”, caracterizado por um maior distanciamento físico entre as pessoas, a conexão à rede se tornou ainda mais essencial e instável.

Por outro lado, com as recomendações dos órgão competentes sobre o trabalho remoto, os brasileiros estão mais em casa e mais online do que o costume, daí a lentidão. No entanto, as pessoas não devem se apavorar ou supor que o problema está em seus provedores.

Morador de Mariana (MG), Nicolas Gomides relata que tem notado a internet mais instável depois da pandemia do novo coronavírus. Para o publicitário, consultor em comunicação e marketing, a qualidade dos vídeos no Youtube, bem como dos serviços streaming de música diminuíram.

“Além disso, estou tendo dificuldade para desempenhar funções de forma remota, já que meu trabalho todo é on-line. A lentidão e mesmo as oscilações na internet têm dificultado as minhas pesquisas, estudos e até mesmo o relacionamento com clientes. A videoconferência em alguns canais usados para esse propósito também ficou bastante afetada”.

Foto: Portal G1

Muitas pessoas conectadas

De acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o número de pessoas que estão em casa e acessando a internet ao mesmo tempo nesses tempos de pandemia pode ser o maior já registrado na história.

Ainda de acordo com a agência reguladora, a mesma está ciente do importante papel do setor de telecomunicações e tem adotado diversas medidas para manter o Brasil conectado durante a pandemia do coronavírus.

Dentre as medidas estão a garantia de que os serviços continuarão funcionando, serviços de saúde e de segurança pública terão apoio especial, dificuldades do consumidor serão endereçadas e a população será bem informada.

Compromisso público

O Compromisso Público para a Manutenção do Brasil Conectado, anunciado pela Anatel, assinado também pela Abrint, Neo, Telcomp, SInditelebrasil e prestadoras (Telefônica, Sercomtel, Oi, Claro, Algar, Nextel e Tim), traz mais detalhes sobre o posicionamento.

A Anatel afirma que e as Prestadoras de Serviços de Telecomunicações abaixo signatárias manterão gabinete de crise instaurado de modo que novas ações coordenadas possam ser feitas para mitigar os efeitos dessa crise.

Acompanhamento

Além disso, a agência manterá, no âmbito do Grupo de Gestão de Riscos e Acompanhamento do Desempenho das Redes de Telecomunicações (GGRR), um ambiente permanente de avaliação das condições de tráfego e capacidade das redes de telecomunicações, focando seus esforços no monitoramento das redes e na articulação, com prestadoras, poder público e demais setores privados, especialmente os provedores de conteúdo na internet, na adoção de todas as medidas necessárias para a superação da crise.

Prioridades

Do mesmo modo, priorizará soluções emergenciais que tenham por principal objetivo a continuidade do serviço e seu acesso pela população brasileira, sobrepondo-as às regras criadas para momentos de normalidade.

No entanto, a Anatel reforma que “este compromisso público não impede a realização de medidas adicionais em benefício da sociedade pelas Prestadoras”.

Para registro de reclamações, propor soluções e tecer críticas ou elogios à Anatel, a Agência disponibiliza diversos meios para consumidores e a sociedade em geral entrarem em contato.

Ligue 1331 para registrar, junto à Anatel, reclamações contra prestadoras, pedidos de informação à Agência, sugestões e denúncias sobre exploração ilegal ou irregular de serviços de telecomunicações.

Vale ressaltar que neste momento em que grande parte dos brasileiros estão trabalhando em regime de home office, a lentidão é inevitável.

Fonte: Jornal Voz Ativa

Outras Notícias